Câncer de mama: A culpa certamente não é sua!

Cancêr de mama é o assunto do blog em mais um Outubro Rosa, um momento de reflexão e de dividir medos, anseios e também coisas boas. Pra isso vou fazer uma série de quatro posts falando sobre o assunto a partir da convivência com algumas mulheres com quem convivi e a minha própria como paciente oncológica com um quadrantectomia, radioterapia e acompanhamento clínico.

Esse não é um lugar de certeza, mas de compartilhamento de experiências e sobretudo de sentimentos. Fui operada de um câncer de mama há nove anos e desde então tenho estado em acompanhamento, tendo recebido alta somente há um ano. Minha estória assim como a de muitas mulheres negras é cheia de racismo, machismo. Mas o assunto aqui somos nós pacientes.

Quero falar sobre sentimentos e sobre a culpa, que é muito presente quando recebemos a notícia de que temos câncer de mama. Coisas que falo inclusive para mim mesma, para não esquecer que tudo que aconteceu não foi porque a gente quis. É sobre isso que quero falar, de quem vive para quem vive na pele a situação.

Espero que isso seja respeitado, porque esse é o objetivo aqui. Se compartilho coisas tão pessoais é para que sejam lidas para quem sabe ajudar outras mulheres e a mim mesma, a significar e ressignificar esss momento muito delicado. E não para servir de fonte ou referência sobre o câncer de mama quando o falamos de negritude.

Por que eu tenho câncer de mama?

O câncer de mama nada mais é do que a multiplicação inadequada de nossas células, causada por diversos fatores. Infelizmente não há nada que possamos fazer para evitar com 100% de certeza a doença. É algo que simplesmente nos escapa. Mesmo para aqueles que levam uma vida completamente saudável. Compreender e aceitar essa realidade é muito importante no combate e mesmo prevenção à doença.

Crédito: MTCalvaryYardMore

É evidentemente bem-vindo um sistema de cuidados para nos cercar de alguma tranquilidade. Ainda assim, pessoas que tem uma boa alimentação, um bom regime de sono e fazem atividade física também podem desenvolver a doença. Pode acontecer com a gente magra, gente gorda, gente jovem, gente velha. E com quem nunca sentiu raiva na vida. Não há nada que você possa ter feito para ficar doente ou não.

Na realidade único requisito para ter ou não câncer de mama tem haver com ter ou não células. Existem fatores de risco como fumar ou de predisposição genética, mas isso não nos garante com 100% de certeza que desenvolverá ou não a doença. Ter isso em mente te ajudará a enfrentar um dos principais sentimentos que a gente tem quando é diagnosticada: a culpa.

A culpa é de quem

Acontece muito de nós pacientes sermos culpabilizadas por termos câncer de mama. Evite a ideia de que você tem um tumor porque você quis ou porque você não se cuidou suficiente. Porque foi uma pessoa amargurada ou raivosa. Nada disso te ajudará a levar uma vida tranquila e produtiva daqui para para frente. E se você acompanha uma paciente, fique atenta para não reproduzir esses preconceitos.

Você não está doente porque quis ou porque mereceu. Mas sim por que foi exposta a uma série de fatores que combinados entre si resultaram no desenvolvimento da doença. O que vai contar a partir de agora não é o que você fez, mas o que poderá fazer daqui pra frente. Isso vale para muita coisa na vida, e agora não será diferente. Você pode escrever o seu futuro e assim ressignificar o seu passado.

Mesmo assim saiba que você não poderá controlar tudo, muito menos sobre o câncer de mama. Você deve se concentrar naquilo que pode fazer como parar de fumar, dormir bem, fazer exercícios físicos, estar com amigos sempre que possível, comer bem e seguir a rotina exigida por sua oncologista. Sem nunca se culpar se não conseguir fazer tudo, isso é humanamente impossível, mas ainda quando se está fragilizada.

Câncer de mama: Tristeza faz parte

Ficar triste faz parte da experiência e isso possivelmente será uma das questões que você precisar a enfrentar. Muitos dirão que você deve evitar a tristeza nesse momento. Só que isso nem sempre é possível, ainda mais diante de um câncer de mama. Procure deixar que o sentimento aconteça faz com que você tenha meios para expressar e superar esse momento. Você não precisa ser forte a todo momento e de fato não será.

Crédito: Parade.

Porém você não se sentirá triste a todo instante. Mesmo com câncer de mama, você ainda será capaz de sorrir e ser feliz, que é o que você de fato  merece. Procure comemorar as pequenas e as grandes coisas que acontecem ao seu redor, Sem nunca se sentir culpada pelos momentos de tristeza. Muitas vezes fingi que estava tudo bem só para fazer o que os outros se sentisse melhor.

Mas por experiência própria posso dizer que um dos melhores caminhos é lembrar que a culpa não é sua, que você pode ficar triste e poderá ser feliz. Na dúvida, prefira ouvir uma boa música do que maus conselhos ou opiniões sobre ter ou não câncer de mama, se concentre apenas nas coisas boas que não te ajudarão a superar esse momento.

Imagem de destaque: Atlantic Medstar

1 comment
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like