Viver pra cima, viver bem, viver muito.

Porque abandonar alimentos ultraprocessados e suas calorias vazias

Falar de alimentos ultraprocessados tendo como horizonte o pós pandemia não é tarefa fácil mas necessária. Sobretudo agora em que 100 milhões de pessoas estão sendo lançadas à pobreza extrema. A gente sabe que comer é existir e resistir. Não por acaso esse direito não é universal como deveria…

Em primeiro lugar se você já viveu a fome em suas mais variadas intensidades sabe do que estou falando. Então antes de condenar os alimentos superprocessados, precisamos entender que mesmo eles podem inclusive ser importantes no combate à fome quando preciso. Nem todo mundo pode escolher o que comer, é verdade. Mesmo assim precisamos falar sobre uma boa alimentação. Nenhuma incoerência nisso.

Alimentos ultraprocessados podem ser ao mesmo tempo baratos e caros, depende como você vê.

Por isso são quase um paradoxo. Porque em alguns casos são justamente os alimentos ultraprocessados que fazem a matemática do bolso dar certo. São esses os alimentos que nossa sociedade oferece para a maioria de nós. Em contrapartida essa comida vazia acaba por nos matar em longo prazo. Essa é o problema que temos em mãos.

Por outro lado comprar esses alimentos têm sido considerado como marca de ascensão social.Para dizer bem da verdade, ainda é. O problema é quando isso se torna uma rotina. Por isso acaba custando demais para tão pouco nutrientes. São calorias vazias. Certamente isso não é por acaso. Justamente por isso precisamos falar sobre os alimentos ultraprocessados.

Muita gente pensa em mudanças drásticas. Mas que tal começar de maneira mais modesta? E ainda não estamos falando dos alimentos processados que “receberam sal, açúcar, vinagre ou óleo para, principalmente, durarem mais tempo”. Aqueles que na “sua fabricação são empregadas técnicas como cozimento, fermentação, salmoura, entre outras” como contou pra gente a Dra. Lorena Lima Amato, endocrinologista pela Universidade de São Paulo.

O sabor dos alimentos ultraprocessados é uma ilusão, verdade.

É com muita tristeza que tenho de dizer que pizza é um desses alimentos. Essa comida muitas vezes é quase irresistível, quase viciantes por causa de tantas substâncias artificiais que tem. Entretanto a coisa boa é que você pode fazer em casa e reeducar seu paladar. E vou dizer a pizza pode sim ficar muito boa, palavra de quem não vive sem umaa boa fatia.

O lance é que… Se vem no pacote possivelmente é um alimentos ultraprocessado como biscoitos, sorvetes, balas, cereais açucarados, bolos e misturas para bolo, barras de cereal, sopas prontas. Além disso temos o macarrão, temperos instantâneos, molhos, salgadinhos de pacote, bebidas adocicadas, iogurtes e bebidas lácteas adoçados e aromatizados. Pães cujos ingredientes incluem substâncias como gordura vegetal hidrogenada, açúcar, amido, soro de leite, emulsificantes e outros aditivo.

Segundo Lorena “os alimentos ditos ultraprocessados são formulações industriais à base de ingredientes extraídos ou derivados de alimentos como óleos, gorduras, açúcar, amido modificado. Ou ainda sintetizados em laboratório como corantes, aromatizantes, emulsificantes, realçadores de sabor, entre outros. Esses ingredientes têm a função de aumentar o tempo de durabilidade do alimento e torná-lo mais atraente para o consumo”, salienta.

Fazendo boas escolhas, para um dia mais nutritivo.

“Não necessariamente temos que optar por orgânicos, produzidos de modo livre de qualquer tipo de insumo artificial. Além dos agrotóxicos, não estão presentes nos alimentos orgânicos os adubos químicos, as drogas veterinárias, os hormônios, os antibióticos, os Organismos Geneticamente Modificados (OGM) e os transgênicos para reduzir ou eliminar o consumo de ultraprocessados”, diz Lorena.

Além disso “podemos preparar grande quantidade desses alimentos em um dia, e depois no decorrer dos dias ir descongelando e consumindo aos poucos com a mesma praticidade dos ultraprocessados. Alimentos in natura preparados e congelados seguramente duram pelo menos 3 meses no freezer quando congelados. Frutas, que são mais difíceis de congelar, ainda assim podem virar picolés e sorvetes naturais. Assim como podem ser​ batidas como vitaminas após descongeladas”, prossegue a endocrinologista.

Vá ao supermercado e à feira, não tem mistério.

“Os alimentos in natura ou minimamente processados podem ser adquiridos nos supermercados tradicionais (arroz, feijão, lentilha, batata, carnes, peixes) assim como em feiras (frutas legumes e verduras em geral)”, disse pra gente Lorena.

Lorena lembra que “para ter sempre frutas disponíveis sem ter que ir muitas vezes a feira, podemos comprar frutas em diversos estágios de maturação, umas mais verdes outras mais maduras. Assim conseguimos um maior período sem precisar sair para comprá-las. Além disso, muitas cidades dispõem de serviços de delivery de produtos naturais como frutas e verduras”.

Por fim quero compartilhar com você algumas estratégias que conheço desde criança e que tem sido muito úteis na hora de levar uma boa alimentação. Muitas delas também preciso relembrar porque é mais fácil falar que escrever.

10 soluções simples para quem quer deixar de lado a comida ruim agora mesmo.

  • Prefira a comida feita na hora, mais saborosa e nutritiva.
  • Planejar suas refeições desde a compra dos alimentos até a elaboração do cardápio da semana faz toda diferença. Fazer compra junto com outras famílias faz toda diferenteça.
  • Prefira alimentos ao natural, como as frutas da estação, produzidas perto de você. Se você está com muita vontade de comer um doce, não tem o menor problema. Mas faça ele em casa.
  • Procure fugir das ocasiões em que os alimentos ultraprocessados substituem as refeições mais completas. Não dá para comer todo dia pizza, é caro e não vai te nutrir. Já os alimentos ao natural podem ser consumidos até o talo, o que pode fazer que sejam mais “baratos”.
  • Não tenha receio de não fazer parte dos momentos de socialização em torno dessas comidas.
  • Leia os rótulos. Evite alimentos de pacotes ricos em óleos, gorduras, açúcar, amido modificado, corantes, aromatizantes, emulsificantes e realçadores de sabor.
  • Procure saber como cada alimento é preparado. Prefira aqueles que vem do pé da planta para você.
  • Se possível consuma orgânicos. E se não der, procure higienizar muito bem frutas, legumes, leguminosas, etc.
  • Converse com sua família sobre os alimentos. As crianças se divertem com informação.
  • Considere diminuir o consumo de carne vermelha. A carne está associada ao consumo de muitos alimentos ultraprocessados.

batidas como vitaminas após descongeladas. E para ter sempre frutas disponíveis sem ter que ir muitas vezes a feira, podemos comprar frutas em diversos estágios de maturação (umas mais verdes outras mais maduras) assim conseguimos um maior período sem precisar sair para comprá-las. Além disso, muitas cidades dispõem de serviços de delivery de produtos naturais (frutas e verduras).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Article

Um banho de spa em casa para os dias de longão

Next Article

Dia da mamografia: prevenção para quem?

Related Posts