Viver pra cima, viver bem, viver muito.

Treininho intervalado para soltar os bofes

Eu errei mais de 9.000 arremessos na minha carreira. Perdi quase 300 jogos. Em 26 oportunidades, confiaram em mim para fazer o arremesso da vitória e eu errei. Eu falhei muitas e muitas vezes na minha vida. E é por isso que tenho sucesso.

Michael Jordan

A gente fala, fala, fala, mas… Não tenho sequer mencionado meus treinos.

Pois chegou a hora da verdade. A minha planilha estava toda bonita, com treino de intervalos para correr na esteira. Sim, não são apenas atletas de ponta que treinam assim. É muito mais simples que o nome sugere. Corre um pouquinho, segura um pouquinho e fim.

E como a gente odeia ficar em ambientes fechados e já correu pra pracinha perto de casa, sabendo que não ia dar para fazer como o mestre mandou… Ia fazer isso do jeito divertido. Na rua, de noite, com o clima favorável e música boa.

A tarefa era simples:

  • 10 minutos andando para aquecer,
  • 10 séries de 1 minuto andando a 8 por hora seguido de 2 minutos andando a 6 por hora
  • 5 minutos andando, completando 45 minutos de pura alegria.

O resultado foi mais ou menos assim:

  • Tempo de 45 minutos
  • Com percurso de 4,23K
  • E pace de 10’41”
  • Elevação de 106 metros
  • Os dois bofes para fora
  • Coceiras nas coxas

Houve momentos em que pensei em desistir, sim. Mas tudo deu certo. Bota 4K na temporada de 2018 para 2019.

A trilha sonora foi bem rapidinha, como The eye of the tiger. Olha eu entregando o treino e a idade!

Gostou? Vem comigo para voltar a treinar também.

Imagem: Marie Claire

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Article

Pedalar na cidade é difícil?

Next Article

Tabagismo é pauta feminista?

Related Posts
Read More

A diversidade no triatlo é possível? Vamos descobrir.

Promover diversidade no triatlo com a participação de pessoas negras, sobretudo as crianças, é uma oportunidade que não pode ser perdida. Assim poderemos construir um futuro menos sombrio para o esporte e quem sabe para nossa própria sociedade. Acreditar que podemos continuar a praticar o esporte sem refletir sobre o que isso significa é uma ingenuidade, alienação ou conivência com o que está posto.