Viver pra cima, viver bem, viver muito.

Uma aula de natação muito especial

“Eu me sinto livre em cima de uma bicicleta e encontro preconceito quando estou fora dela”, disse Jeanne d’Arc Girubuntu da seleção de ciclistas de Ruanda. E foi a primeira coisa em que pensei ao ver as imagens que compartilharei nesse pequeno texto. Creio que nada mais oportuno para começar setembro.

As imagens feitas por uma documentarista branca e norte americana em Zanzibar, em Nungwi, mostram um pequeno grupo de mulheres negras aprendendo a nadar em águas abertas. Usando seus trajes para cobrir a cabeça e corpos e embalagens de plástico como bóias de segurança.

Essa aula de natação muito especial acontece através do Projeto Panje que é co-coordenado por Khadija Shariff, uma das responsáveis por essa linda iniciativa que você acompanha no facebook. Mais de 600 pessoas já foram atendidas, até agosto desse ano.

As mulheres da comunidade são desencorajadas a frequentar a praia, enquanto os homens trabalham em embarcações que também servem à uma crescente pressão exercida pelo turismo. O que se torna ainda mais tocante, por que vendo essas imagens nos perguntamos a quem pertence essa praia.

O crédito das fotos vai para Anna Boyiazis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous Article

Tabagismo é pauta feminista?

Next Article

Checklist da pedalada pra não passar raiva

Related Posts
Read More

A diversidade no triatlo é possível? Vamos descobrir.

Promover diversidade no triatlo com a participação de pessoas negras, sobretudo as crianças, é uma oportunidade que não pode ser perdida. Assim poderemos construir um futuro menos sombrio para o esporte e quem sabe para nossa própria sociedade. Acreditar que podemos continuar a praticar o esporte sem refletir sobre o que isso significa é uma ingenuidade, alienação ou conivência com o que está posto.